Christian Lesage

 

 

Christian Lesage

 

 

Diretor de fotografia, nascido no Rio de Janeiro em 1955. Pai francês e mãe pernambucana.

        Frequentou desde pequeno os estúdios da Cinecastro, onde seu pai, Romain Lesage, dirigia comerciais.

        Aos dezesseis anos, fez curso de fotografia still no Senac do Rio de Janeiro, e trabalhou como repórter fotográfico em revistas de bairro (Jornal de Ipanema, entre outros).

        Fez dois semestres de cinema na UFF, e mudou-se em 1975 para São Paulo, onde começou a trabalhar na produtora que seu pai havia iniciado. Fotografou inúmeros documentários técnicos e institucionais sobre temas como grandes barragens (Tucuruí, Balbina, Itaipu, entre muitas outras), a construção do Metrô de São Paulo, do Aeroporto de Manaus, da Ponte Rio-Niterói, minerações como Serra Pelada e Carajás, o que lhe deu a oportunidade de conhecer o Brasil de forma única.

        Em 1981 foi assistente de direção do longa-metragem "P.S. - Post-Scriptum", quando acompanhou o trabalho de Peter Overbeck, diretor de fotografia do filme.

        Em 1983, em Porto Alegre, fotografou seu primeiro longa-metragem, "Verdes Anos", de Carlos Gerbase e Giba Assis Brasil, marco na história do cinema gaúcho.

        Ainda em Porto Alegre, fez assistência de fotografia para Alberto Salvá no longa "Me Beija" (1984), de Werner Schünemann, fotografia adicional para César Charlone no longa "Aqueles Dois" (1985), de Sérgio Amon e Roberto Henkin, e direção de fotografia em  "O Mentiroso" (1986), também de Werner Schünemann.

        Fotografou, também em Porto Alegre, os curtas "Temporal" (1984), de Jorge Furtado e José Pedro Goulart, "O Dia Em Que Dorival Encarou a Guarda" (1986) de Jorge Furtado (prêmio de fotografia em Gramado), "Hemisfério de Sombra" (1986), de Mariângela Grando (prêmio de fotografia em Gramado), "Memória" (1988), de Roberto Henkin, e "O Branco" (2000), de Liliana Sulzbach e Angela Pires.

        Em 1994, participou da equipe de "Todos os Corações do Mundo", filme oficial da FIFA sobre a Copa do Mundo nos EUA, dirigido por Murilo Salles.

        Em São Paulo, fotografou "Supercolosso" (1995), longa de Luis Ferré, e os curtas "Delivery" (1999), de Bruno de André, "Do Amor" (2001), de Gisela Callas, "Sra.M", de Jussara Figueiredo e Carla Mourão, e "Espelho Meu", de Carla Mourão.

        Em 2006, 2007 e 2008, foi responsável pela concepção de luz e direção de fotografia das três temporadas do programa "Circo do Edgard", com Edgard Piccoli, no canal Multishow, produzido pela Mixer.

        Em 2009, ainda no canal Multishow e produzido pela Mixer, fez o programa "Edgard no Ar" e, entre 2009 e 2010, a primeira temporada do programa  "Experimente", ainda com Edgard Piccoli.

        Em 2011, foi diretor de fotografia do DVD de Emílio Santiago, "Só Danço Samba"

        Em 2012, foi diretor da equipe de fotografia da campanha eleitoral do PSD em Blumenau.

        Entre 2014 e 2017, esteve diversas vezes no Congo Brazzaville onde coordenou as equipes de fotografia e câmera em documentários institucionais para clientes brasileiros e para o governo do Congo, e em Angola, também rodando documentários institucionais.

        Simultaneamente à sua atuação na ficção, documentários e televisão, sempre trabalhou e continua trabalhando intensamente com publicidade, tendo perdido a conta de quantos comerciais fotografou.

        Desenvolve agora, paralelamente ao trabalho com publicidade e documentários, um trabalho pessoal de fotografia que transita por diversos temas, entre naturezas mortas e gente das ruas.    

        Fluente em francês (nativo), inglês e espanhol, já trabalhou em produções nos  EUA, França, Inglaterra, Finlândia, Congo Brazzaville, Angola e Argentina, tendo grande facilidade de comunicação com a equipe.